©2018 NeuroLiving

  • Diana Luzio Alves

Como responder a falsas acusações (Artigo 4 de 4)



Infelizmente é habitual as pessoas com doença de Alzheimer ou outro subtipo de demência acusarem pessoas próximas de roubo, maus-tratos ou outras coisas terríveis, em algum momento da doença.


Nos últimos artigos do blog da NeuroLiving abordei o que se deve dizer e como se deve reagir quando algumas destas situações acontecem. E porquê? Porque responder a falsas acusações com lógica e reflexão não funciona, mas é possível responder de forma eficaz se soubermos a técnica correta para o fazer. Este artigo é o 4.º e último artigo da série "O que dizer quando está a ser falsamente acusada" que aconselha sobre diferentes temas: roubo de dinheiro, roube de objetos, envenenamento e... ser mantido como prisioneiro. Se ainda não leu os artigos anteriores deixo-lhe o link para o primeiro ("Roubou o meu dinheiro!") aconselho-o a ir lê-los antes de prosseguir neste, pois há informações e dicas que lhe podem ser úteis.



"Está a aprisionar-me!"


Com a evolução da doença, as pessoas com demência deixam de estar em segurança se forem deixadas sozinhas. Elas podem facilmente magoar-se se forem deixadas em casa ou perder-se se saírem de casa sozinhas. Como não podem sair onde e quando querem, podem sentir que estão a ser mantidas prisioneiras.


As respostas que sugiro neste caso são as seguintes:


"Parece que quer sair, onde devemos ir?… Ah, eu também adoro ir a esse lugar. O que gosta mais quando vai lá?"


"Podemos ir a qualquer sítio que você queira, o que tem em mente? Essa é uma ótima ideia! Vamos depois de almoço. Eu fiz o seu prato de massa favorito, vamos para a cozinha para comer."


E agora, como ajudar a pessoa a sentir-se mais no controle:


Quando possível, concorde e acompanhe quando quiser sair.

Se não for possível, concorde e finja estar a ajudá-la a preparar-se. Enquanto finge estar pronto para sair, redirecione-a subtilmente para uma atividade que ela goste.


Como expliquei em artigos anteriores, o conjunto de respostas que partilho consigo deve funcionar como ponto de partida para as suas próprias respostas criativas. Pode ser necessário experimentar várias formas até começar a ganhar o "jeito" da técnica de validação e redirecionamento, mas fica cada vez mais fácil com a prática.



"Agradeço a Deus pelo que conquistei até agora, mas peço a Ele para me dar sabedoria para conquistar muito mais." - Autor desconhecido


...Como sabe, adoro ouvir o que têm para me dizer.

Partilhe comigo questões, reflexões ou opiniões enviando-me um e-mail ou partilhe comigo e também com outros leitores através dos comentários no post do FB deste artigo. Centenas de pessoas fantásticas vêm aqui todas as semanas para procurar informação e motivação, e a suas partilhas podem ajudar outra pessoa a ter um crescimento significativo. Obrigada por partilhar um pouco de si.




Ainda não recebe os meus artigos na sua caixa de correio eletrónico? Assine a newsletter clicando aqui e mantenha-se sempre atualizado!